Programa Minha Casa Minha Vida – Medida Provisória 497

31, julho, 2010

A Medida Provisória nº 497, de 27 de julho de 2010, que trata principalmente de desoneração tributária para construtoras de estádios de futebol, TAV (Trem de Alta Velocidade) e outras obras também beneficia o Programa Minha Casa Minha Vida. Lembrando sempre que Medida Provisória tem força de lei.

Os artigos 29 e 30 da medida tratam especificamente do Minha Casa Minha Vida. Pelas novas regras, agora os benefícios do programa se estendem até 2014 e os valores dos imóveis podem chegar a R$ 75.000,00 (contra R$ 60.000,00 anteriormente). Além disso, a construtora pode realizar pagamento unificado de tributos equivalente a 1% da receita por mês do contrato de construção.

Veja a íntegra da Medida Provisória aqui.

Minha Casa Minha Vida, Notícias

CDHU – inscrição para compra de apartamentos em SP

27, julho, 2010

A CDHU tem vários programas para vendas de imóveis, principalmente apartamentos e casas populares em conjuntos habitacionais, em todo o Estado de São Paulo, como Programa de Atuação em Cortições, Remoção, Atuação em Favelas e Áreas de Risco e outros. Pelo seu perfil, obviamente os imóveis são destinados a pessoas de baixa renda.

Mas você pode ficar surpreso com o fato de que não é necessário ter uma renda tão baixa assim. Para se inscrever, é necessário ter renda entre 1 e 10 salários mínimos. Note, no entanto, que essa é a renda familiar, não individual.

Não podem participar as famílias que já tenham comprado imóvel do CDHU anteriormente ou famílias que tenham outro imóvel próprio, quitado ou financiado, mesmo que seja em outros estados do Brasil. Também é necessário comprovar que se vive ou trabalha há pelo menos 3 anos no município em que se está comprando o imóvel.

Para se inscrever, é necessário que existam unidades da CDHU à venda em seu município, momento a partir do qual outras exigências previstas em contrato. Você pode ver as unidades neste link. Também é bom, antes de fechar seu contrato, ler a cartilha da CDHU que expõe seus direitos e obrigações ao adquirir um imóvel.

Apartamentos, Casas Populares, CDHU

Crescimento do crédito imobiliário e valorização dos imóveis no Brasil

9, julho, 2010

O preço dos imóveis está bombando em todo o Brasil. Apenas alguns anos atrás, não muito além de 2003, havia até casos de apartamentos em capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Curitiba chegavam a ser trocadas por motos de grande cilindrada e carros, mano a mano. Hoje em dia, não se considera carro nem para 10% do pagamento.

Até porque o apartamento que era trocado por moto há 7 anos atrás valia cerca de R$ 60 mil e hoje vale R$ 200 mil (já a moto, uns R$ 10 mil). Uma valorização que se tem verificado em todo o país, e de maneira especialmente dramática em Brasília e Curitiba. Qual a razão? Basicamente, crédito imobiliário.

Os imóveis, hoje, normalmente são comprados com financiamentos longos, de 30 anos, o que era raro anteriormente. Neste caso, mesmo que o preço do imóvel esteja bem mais alto, vale a pena deixar de pagar aluguel para financiar um imóvel, já que se está pagando por uma propriedade. Os preços dos imóveis tem subido a taxas parecidas com as de expansão do crédito imobiliário nos últimos anos.

O crédito imobiliário tem crescido a taxas superiores a 20% desde 2005, indo de 1,4% do PIB em 2005 para 2,2% em 2008. Para este ano, há quem espere expansão ainda maior, de 45% ao ano até 2015, para chegar a 11,4% do PIB em 2014. Os números podem parecer impressionantes, mas não são. O crédito imobiliário é, hoje, 2,9% do PIB. Em comparação, no México esse número chega a 9%, no Chile a 17% e nos EUA (não um exemplo muito bom) a 65% (dados de Nelson Schver Advogados).

Ou seja, ainda há sim muito espaço para o crescimento do crédito. Se o movimento continuar, a tendência é que mais pessoas troquem seus alugueis por financiamento, o que pode sim pressionar o preço para cima. Por outro lado, há muita oferta de imóveis novos e um limite à capacidade de endividamento das famílias, o que coloca um freio no crescimento dos preços. Cabe notar também que a economia tem crescido aceleradamente, chegando a ficar, no primeiro trimeste de 2010, 9% acima do primeiro trimestre de 2009. No entanto, o crescimento vem com pressão inflacionária e, para segurar, o governo já aumentou a taxa Selic para patamares acima de 10% ao ano novamente. Taxas de juros maiores tornam a compra de imóvel menos atraente como investimento.

Mercado Imobiliário

Mansão Le Belvedere, Bel Air, Los Angeles – vendida por US$ 72 milhões

5, julho, 2010

Se você tinha US$ 72 milhões e não sabia o que fazer com eles, chegou tarde. A Le Belvedere Estate, em Bel Air, um subúrbio de Los Angeles, EUA, já foi vendida por este valor, na metade de junho, para uma família europeia não revelada. É, atualmente, considerada a mansão mais cara da América pela Revista Forbes.

Ela é meio apertadinha, mas dá para o gasto. Tem 4460 m² num terreno de aproximadamente 9.000 m² e 3 andares. Tem estrutura em aço e é decorada, por fora, com pedras trazidas de Jerusalém. Tem garagem para 20 carros e adega para 5000 vinhos. Tem suíte master, suíte com dois escritórios (um para cada membro do casal), hammam turco, sala marroquina, sala de festas para 200-250 convidados, cinema privativo, sala de jogos e o que mais você possa imaginar.

Também conta com uma edícula chamada “Casa dos Guardas” e já tem permissão para construir mais um puxadinho.

Dá uma olhada no site dela: http://www.lebelvedereestate.com/

Confira as fotos

Imóveis de Luxo, Imóveis nos EUA, Le Belvedere

IGP-M apresenta queda em reajuste de Contratos de Aluguéis de Imóveis

1, julho, 2010

A maioria dos contratos de aluguel tem seus reajustes regidos pelo IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) pesquisado pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) e o índice apurado para o mês de Junho trará uma boa notícia para quem tem reajuste neste período. Houve um recuo na taxa apurada em relação ao mês de Maio. Enquanto no mês passado a taxa ficou em 1,19%, em Junho ela foi estimada em 0,85%, conforme informado pela FGV.

Ao longo dos últimos doze meses este índice apresentou um aumento de 5,17%. Já no primeiro semestre deste ano o aumento ficou em 5,68%. A desaceleração deste índice deveu-se principalmente aos preços praticados no atacado que tiveram uma elevação menor neste período.

O IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo) que tem peso de 60% na composição do IGP-M apresentou uma variação menor ficando em 1,09% em relação ao mês de Maio, onde esta taxa foi registrada em 1,49%.

Desta forma o índice que reajusta os aluguéis registrou baixa seguindo uma tendência no universo dos índices que medem a inflação oficial, que na comparação entre Junho e Maio apresentaram uma tendência de queda.

Por Mauro Câmara

Fonte: G1

Aluguel, Contrato, IGP-M, Imóveis, Reajuste

Imóveis comprados na planta sofrem Reajuste

1, julho, 2010

Quem comprou imóvel na planta pode se preparar para um aumento maior do reajuste das parcelas. Isto porque devido ao aquecimento do mercado da construção civil, o valor da mão de obra do setor que subiu na faixa de 2,54% no último mês em função de datas base da categoria, o INCC (Índice Nacional da Construção Civil) que reajusta as parcelas de imóveis em construção chegou ao patamar de 1,77% no mês de Junho, bem acima das projeções de inflação.

Por exemplo, no último boletim Focus o mercado projetava a inflação em torno de 0,14%, podendo chegar a 0,19%, conforme medições do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

Como as parcelas são reajustadas pelo índice especifico da construção civil, neste mês a variação ficará acima da inflação oficial. Algo que não ocorria deste o período compreendido entre agosto do ano passado e março deste ano, quando esta variação foi bem menor que a inflação.

No entanto em abril a coisa começou a mudar e os preços praticados no setor construção civil subiram e a perspectiva é que continuem subindo nos próximos meses, mas talvez em um ritmo um pouco menor do que agora, mas o que de qualquer forma deverá manter os próximos reajustes das parcelas acima da inflação oficial.

Por Mauro Câmara

Fonte: G1

Construção, Construção Civil, Imóveis, Imóveis Novos, Parcelas, Reajuste